sexta-feira, 12 de outubro de 2012

plenitude e outros poemas




PLENITUDE

A felicidade exige pouco:
o musical deleite
dos teus pássaros
sobre o meu corpo

cada encanto e som
entranhando fundo
nas dobras da pele,
nos cantos das horas

O meu sempre
é tua história 
Minha vida
vive o teu nome.

 

VOYEUR


Olho o teu sono
profundo de perfeição,
de água tranquila

como ave que paira
saciada
sobre o espelho

Não precisa voar.

TRAJETO

A ambição de moldar
a água intensa, espessa
dessas luzidias
palavras tuas: esqueço

Em troca, o melhor,
a essência:
mergulho alma inteira
no influxo da paixão.


ALBERTO BRESCIANI


Imagem: O Beijo, Gustav Klimt

15 comentários:

  1. Muitíssimo lindíssimos!

    ResponderExcluir
  2. Belíssimos! Adorei! A ilustração está perfeita.

    ResponderExcluir
  3. Gostei dos três. Carregam a leveza das asas e a intensidade da água. Talvez ainda, dependendo do ângulo, o movimento da chama tentando enganar o escuro.

    ResponderExcluir
  4. Gostei dos três. Suaves e intensos, como um bom poema deve ser.

    ResponderExcluir
  5. há coisas que só as palavras sabem tocar! belos!

    ResponderExcluir
  6. Adorei, todos os três são perfeitos

    ResponderExcluir
  7. Até a ordem dos poemas foi bem escolhida.

    ResponderExcluir
  8. Que maravilha!! Adorei!!

    ResponderExcluir
  9. Prezado Alberto,
    Esses poemas dão mostra de que o poeta continua de bem com a musa e com as metáforas bem afinadas.
    Muito bons!
    Wilson Pereira

    ResponderExcluir
  10. Belíssimos! Parabéns, Alberto. Concordo com o Wilson, plenamente.

    ResponderExcluir