segunda-feira, 16 de julho de 2012

turista

Entra no avião. Classe executiva. Não acredita que está ali outra vez. Olha o passaporte e recorda as moedas contadas para o pão com mortadela. Aceita o champanhe, fecha os olhos e se esquece. O vigoroso movimento pela geografia confinará fraquezas, medos, decepções, as culpas, o tempo desertor, tudo isso na réplica miniaturizada do vaso egípcio, lembrança de viagem. Alienação quase tão barata quanto o pão com mortadela que, no entanto, era só comida: não escondia sombras.

Alberto Bresciani

11 comentários:

  1. o perfeito contraponto ao humor dos outros mínimos.
    há sombra dentro de nós.
    conto lindo, Alberto.

    ResponderExcluir
  2. Gostei dos 3 contos.
    Esse me lembrou a poesia da Adélia Prado: "os mistérios aguçam o apetite de viver".
    As sombras - mistérios - nos impulsionam, não é Alberto??

    ResponderExcluir
  3. Gostei dos 3 mini-contos.
    Com o turista me lembrei de Adélia Prado: "os mistérios aguçam o apetite de viver".
    As sombras/mistérios nos impulsionam.
    Parabéns pela escrita e pela disposição de disponibilizar para todos nós.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado a você, Renata! Ficamos felizes com a sua visita. Volte sempre!

      Excluir
  4. Outras vezes, anjos, não Mariza? Secretos, claro!

    ResponderExcluir
  5. Meu Amigo Alberto, eu estou feliz em ver que mantém em seus contos a mesma qualidade de seus poemas, que eu gosto tanto. Gostei especialmente desse aqui, mas não faço exceção a nenhum. Parabéns!
    Um abraço, Luciano Lopes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luciano, fico feliz com o sua visita e com a sua opinião! Minicontos rondam a poesia em alguns momentos. Um abraço.

      Excluir
  6. Francisco Luciano Frota16 de julho de 2012 20:56

    Um miniconto com a sutileza e a profundidade de um poeta. Parabéns, Alberto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aos olhos de um grande amigo... Obrigado, Luciano!

      Excluir
  7. Assim muitas pessoas agem no curso da própria vida, fazendo com que tudo pareça tão barato e sem sentido, incluindo, provavelmente sem sentir, a própria existência.

    ResponderExcluir