sexta-feira, 13 de julho de 2012

entre um instante (atma)

no átimo entre
o último suspiro
e a morte
encontrou um instante

entre o instante
e a morte
um instante

entre o entre
um ente

e viveu para sempre
(Henri Cartier-Bresson, 1932, Paris.
Place de l'Europe. Gare Saint Lazare)


17 comentários:

  1. A cadência para a surpresa, Vagner! Surpreende!

    ResponderExcluir
  2. Um instante (in extremis) é mesmo para sempre! Abraço, poeta.

    ResponderExcluir
  3. Há esse instante!E temos que estar atentos!Muito bonito,Poeta Wagner,um abraços,Luciano Lopes

    ResponderExcluir
  4. Alberto! A cadência é de Nóstres!

    ResponderExcluir
  5. Salve, Luciano! A casa de Nóstres é sua!

    ResponderExcluir
  6. Gostei: a sutileza do momento indo além do próprio instante. Parabéns, Vagner!

    ResponderExcluir
  7. Basilina! Muito obrigado! Aguardamos mais visitas suas!

    ResponderExcluir
  8. No átimo entre o último suspiro e a morte, Goethe (ex)clamou: “Mehr Licht!”, “Mais Luz!”

    ResponderExcluir
  9. Vagner, não consegui comentar antes e nem sei se conseguirei agora. esse é daqueles poemas que me assombram, provocam espanto e me fazem cair em silêncio. a intensa brevidade (e vice-versa) dos versos é de uma força imensurável, assim como aquela que, supomos, está encerrada no extremo instante.

    ResponderExcluir
  10. eu, mineira, estou aqui - de queijo caído!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Líria! Fico muito honrado! Um grande abraço!

      Excluir
  11. Luis Fernando, muito obrigado por sua participação luminosa!

    ResponderExcluir
  12. Mariza, querida amiga. Agora quem ficou sem palavras fui eu... Seu comentário me trouxe ainda mais ânimo! Obrigado!

    ResponderExcluir
  13. "E viveu para sempre"...Num átimo, um "ponto de encontro" com a tão sonhada Eternidade...
    Grande abraço!!

    ResponderExcluir
  14. " e viveu para sempre " Num Átimo, "Ponto de Encontro" com a tão sonhada Eternidade !!Abraços, poeta!!

    ResponderExcluir