quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Sortilégio

Quando no céu a lua muda, despontando barriguda, a moça se veste de negro e recita seus encantos, para o amor segurar:

Se comigo ele não fica com ninguém há de ficar.

E ele, que dorme inocente, não sabe explicar o que sente quando lhe ataca um desejo, que vai do peito ao baixo-ventre.

Se comigo ele não fica com ninguém há de ficar.


A moça ri -- escandalosa -- e invocando os benefícios dos deuses, despetala uma rosa, enquanto come uma fruta, cheia de tesão e de gula:

Se comigo ele não fica com ninguém há de ficar.

E o moço -- agoniado -- salta da cama, aparvalhado, abre portas e janelas, tira as roupas, sai ao relento, tentando dar cabo de todo o tormento.

Se comigo ele não fica com ninguém há de ficar.

Pia lá fora a coruja, crocita o corvo, gemem as estrelas com dores de parto, a noite estrangula os sonhos decentes, da fruta, a bruxa engole o último pedaço:

Se comigo ele não fica com ninguém há de ficar.

Dez pancadas na porta, um grito desesperado, a moça desce as escadas para receber seu amado. Ele entra -- parece um demônio -- e sem dizer nada lança-a ao chão, mordendo-lhe a boca, cheio de fúria e paixão.

Se comigo ele não fica com ninguém há de ficar.

E desta vez quem gargalha é a lua, cúmplice de toda mulher...

E de bruxa!...


mariza lourenço

3 comentários:

  1. U-A-U! Esse é de rasgar, Mariza!

    ResponderExcluir
  2. Azar ( ou sorte ) de quem essa moça amar. Beijo

    ResponderExcluir