quarta-feira, 24 de julho de 2013

quando ela foi para bremen



QUANDO ELA FOI PARA BREMEN

No penúltimo dia
ela disse eu te amo
não posso engolir o desejo
por mais cinco milhões de anos

foi então como se tudo descansasse
as sombras se levantaram
e cada cor estava nua
em sua própria luz

Brevemente

Com a cabeça ainda apoiada
os ombros ardiam
eram carvão chama ácido
o corpo queimava
e esmagou-o a rocha

já não podia tocar o seu rosto
embora o visse
em janelas fechadas
nas coisas que caem racham
não se curam e morrem


ALBERTO BRESCIANI


Imagem: Alberto Bresciani

Um comentário:

  1. uma preciosidade para ler, guardar, reler. gostei muito, Alberto.
    beijo

    ResponderExcluir