segunda-feira, 27 de agosto de 2012

pássaro preso

(René Magritte. L'homme au chapeau melon, 1964)

pássaro preso por tempos no fundo da gruta garganta
preso no nó na garganta engasgado
pássaro preso

            e a boca destrava

                          e o peito palpita e a pupila dilata e agora é a chance
                          e a boca se abre e a língua se arma e agora é a chance
                          e a boca se abre e agora é a chance
                          e a boca se abre e o pássaro

e o pássaro
não sai

pássaro
não sabe

8 comentários:

  1. Vagner, esse poema é espetacular. Você dirá que me repito. Mas não. Este nó na garaganta!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Alberto! De nós em Nóstres vamos levando!

      Excluir
  2. Sentir esse ar entrar e sair, e as coisas acumulando, engasgando-se por dentro.

    Um tema que gosto muito.

    Belo poema, meu caro!

    Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lara! Sua visita é muito especial! Um beijo.

      Excluir
  3. muito bonito, Vagner.
    pássaros voam por dentro. deixa o pássaro voar.
    ele sabe.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele não sabe e nem eu, mas estamos aprendendo, Mariza. Obrigado!

      Excluir
  4. Respostas
    1. pássaro-poema! que bonito! obrigado, Lázara!

      Excluir