sexta-feira, 20 de julho de 2012

três poemas

DELÍRIO

Assim
como um cavalo negro
a galope

Mais:

como se lhe caíssem asas
sobre o galope
e seus músculos explodissem
em voo

ou antes ou melhor
cem alados cavalos

E depois
a perdição

– embora frescos
os flancos os lábios o sopro

mas ardentes
as garras em guerra

O efeito
do universo que verbera
uma vez e sempre
amanhã também
em corpos perdidos
sobre estigmas e estames
da morte

agora
distante.

Alberto Bresciani

TRADUÇÃO

Confesso meu amor
imenso às ilhas

Claro está: não falamos
a mesma língua

Não sei se me ouvem
e percebem

mas em meio às ondas frias
vez ou outra
um cardume de enguias
lambe de azul
as pernas, o corpo:
no gosto, no gozo

Eu
imerso.

Alberto Bresciani
imagem de Lightning Volt

SORTE

O destino não nos pertence
nem a deuses, runas
ou a leitoras de entranhas

À luz
inutilmente
perseguem a nudez
a tardia indisciplina dos corpos

Como agora
arriscar as veias?
Onde se apaga
o vazio?

Soube de búfalos
que trocam o cansaço
pela própria morte.

Alberto Bresciani



31 comentários:

  1. Alberto,
    Você é um poeta de verdade. Minha admiração só aumenta a cada poema lido. Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Noélia Ribeiro, poeta-amiga-bacana, obrigado sempre!

      Excluir
  2. Meu irmão (não é metáfora)

    Parabéns pela nova manifestação cultural.

    Desejamos SUCESSO (o que já está ocorrendo)

    Carlos Bresciani,Vivian Mockdece,Carlos Victor Bresciani,Larissa Bresciani,Maria Lúcia Fontan.

    ResponderExcluir
  3. Três belos poemas, em movimento!
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Respostas
    1. Angélica, obrigado pela visita, você sim o talento!

      Excluir
  5. Que espirito baixa em você quando você poema?
    Que mágica você faz quando se torna líquido, fluido?
    Que pacto você fez com a língua para ela ser sua serva?
    Amigo querido, não responda. Guarde o segredo que o torna único e absurdamente fértil. Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Generosidade única e absurdamente extensa essa que é sua, Ana Maria, caríssima amiga. Obrigado.

      Excluir
  6. A cada conto lido fica a vontade de ler o próximo, todos lindos! Parabéns Alberto.
    Bárbara Nunes

    ResponderExcluir
  7. Que boa visita, querida Bárbara! Obrigado!

    ResponderExcluir
  8. Parabéns, Alberto. Você pode arriscar tudo, até as veias. Mesmo que não consiga apagar o vazio,com certeza, vai acender nossa admiração pelo seu talento e capacidade de surpreender sempre com poemas lindos e bem estruturados. Minha admiração cada vez maior.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Basilina, a poesia no comentário que, sei, é fruto da amizade e de seu coração pleno de lirismo!

      Excluir
  9. O corpo incorpóreo do amor nos salva e perde, emerge e submerge em êxtase e exaustão. Bela a metáfora dos búfalos, poemas cortando a carne e a alma. Bela a língua mítica do poeta. Parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amneres, ainda aqui, a poesia salta da generosidade dessa querida amiga poeta! Obrigado pela visita!

      Excluir
  10. Três poemas certeiramente afi(n)ados, Alberto. São peças de poesia quase pura. (Digo quase porque não sei se há coisas puras.) Construções de música, ar respirado e silêncio. Ou, em outras palavras, tudo para sentir, nada para explicar. Excelentes!

    ResponderExcluir
  11. acho que tudo já foi dito a respeito desses três belíssimos poemas, Alberto. poemas que falam aos sentidos, evocando imagens poderosas. e, aqui dentro, a música.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A gentileza de Mariza Lourenço sempre acrescenta! Obrigado, Poetíssima!

      Excluir
  12. Realmente maravilhosos. Muitas perguntas me vêm à cabeça, dentre elas, peço licença a Ana Maria Lopes para repetir aquela feita por ela: "Que pacto você fez com a língua para ela ser sua serva?"

    Bernadette

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Bernadette! O pacto tinha por fim conseguir amigas e amigos especiais. Está dando certo...

      Excluir
  13. Muitos sentidos, músculos , flancos, lábios. Imersa em guerras e sexo, em imagens poderosíssimas fiquei.Confessar a quem ? às ilhas? Sinto-me cansada também...mas não sou cavalo nem bufálo. Carla Andrade

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Confessamos mistérios às ilhas, Carla. Confessamo-nos uns aos outros. Obrigado.

      Excluir
  14. Palavras, sentidos, emoção. Nada fica impassivel ao encanto dos poemas. Parabens.

    ResponderExcluir
  15. Grande poeta!
    Como um poema permite várias e várias releituras. Gostei do que li e senti.É poesia da melhor qualidade. Prometo revisitar várias vezes para outras releituras.
    Parabéns aos três pelo ótimo conteúdo do blog.

    José Antonio Pereira

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. José Antonio, agradecemos muito a sua visita! Obrigado pela gentileza de sempre!

      Excluir